.:: War Facts ::. Primeira Guerra Química (1914-1918)

Ao tempo da Primeira Guerra, sabe-se que o nome pelo qual a mesma era chamada era o de Grande Guerra, ou, como os intelectuais mais gostavam, a Guerra para Findar Todas as Guerras. O conflito, considerado o primeiro tecnológico de todos os tempos, deu inspiração para que o militar veterano britânico Alan Hanbury Sparrow cunhasse o termo “bafo do diabo”, em alusão ao uso maciço de armas químicas, como em nenhuma outra guerra anterior.

Dispersão de gás cloro na Primeira Guerra

A França começou com a tática militar já em 1914, lançando gás lacrimogênio em pequenas quantidades contra soldados alemães. Estes últimos, por sua vez, foram os que começaram com uso em grande escala de armas químicas, em 3 de janeiro de 1915, durante a Batalha de Bolinov, através da dispersão de brometo de xilila (C8H9Br)  contra tropas russas, no front oriental. A grande ironia é que a substância, cujos testes tinham revelado ser um gás irritante para olhos e vias respiratórias, era pouco volátil, ficando na forma quase que totalmente sólida no clima gelado do Leste Europeu.

Molécula do Brometo de Xilila, com todos os seus isômeros

Já a primeira investida mortal de gás cloro ocorreu em 22 de abril de 1915, durante a 2ª Batalha de Ypres, em território belga. Os alemães tinham um arsenal de nada menos do que 6 mil cilindros do gás sobre pressão, uma substância cuja própria toxicidade, para a época, era pouco conhecida. Nessa altura da guerra os alemães já tinham ficado experientes no monitoramento dos ventos, para aproveitar a melhor hora de lançar os gases, o que não era uma tática confiável, dada a conhecida capacidade dos ventos de mudarem facilmente de direção. Nesta batalha, porém, os cálculos deram certo e houveram muitas baixas numa distância de oito quilômetros das linhas francesas adentro.

Cloro líquido em ampola.

A operação mortífera foi coordenada pelo cientista Fritz Haber (que ironicamente ganharia o Nobel de Química em 1918, por seus serviços na sintetização de amônia, para produção de fertilizantes e, para não esquecer as origens bélicas, explosivos).

Nessa primeira fase da guerra ainda não haviam máscaras de proteção, de forma que a – única – alternativa de quem era atacado era cobrir as vias respiratórias com um pano molhado com água, bicarbonato de sódio ou – pasmem – urina, cuja presença de amônia faziam alguns acreditarem na neutralização de parte da toxicidade.

No meio da guerra, a tática mais cruel dos alemães era a dispersão simultânea de dois gases: um lacrimogênio, como o já citado brometo de xilila, para que a irritação nos olhos forçasse os combatentes a tirarem suas máscaras, e outro incapacitante, como o fosgênio (COCl2), que sufocava as vítimas.

Até os cavalos usavam máscaras para proteção contra armas químicas.

Mas nenhuma das substâncias citadas até agora teve o poder devastador e hediondo do gás mostarda, provavelmente a mais cruel arma química do conflito. Seu nome vem da cor da substância quando líquida, cuja nomenclatura química oficial é 1,5-dicloro-3-tiopentano (C4H8Cl2S). O gás mostarda produz bolhas por simples contato com a pele, causa cegueira, necrose nas vias respiratórias e leva a vítima à morte por asfixia com extrema facilidade.

File:Mustard gas burns.jpg

Soldado vitimado do gás mostarda.

A rotina das trincheiras mudou completamente com o advento das armas químicas. Um hábito comum entre os soldados era monitorar o vento para ver se não estava na direção de sua tropa, assim como qualquer sinal de fumaça já era suficiente para vestirem suas máscaras. Um hábito comum para criar pânico era lançar granadas de fumaça contra as linhas inimigas, simulando a dispersão de armas químicas e tendo alvos distraídos para o ataque.

Famosa imagem retratando o horror das armas químicas, onde um homem é visto prestes a morrer por asfixia. Claramente se vê que ele tirou a máscara de proteção por causa da tática de gases simultâneos.

O Protocolo de Genebra, termo que assegurava o não uso de armas químicas em conflitos, só foi assinado 17 de junho de 1925, sendo que Adolf Hitler não quis assiná-lo.

Estojo de armazenamento e máscara de proteção contra gases

Durante a Antiguidade, quando os bárbaros germânicos atacaram Roma através da dispersão de substâncias tóxicas em poços das províncias romanas, os juristas do Império citaram a frase ARMIS BELLUM NON VENENIS GERITUR”, que significa: “A guerra deve ser travada com armas, não com venenos”. Uma mensagem um pouco mais apaziguadora para as gerações posteriores.

Explore posts in the same categories: War Facts

Tags: , , , , , , , , , , ,

You can comment below, or link to this permanent URL from your own site.

One Comment em “.:: War Facts ::. Primeira Guerra Química (1914-1918)”

  1. Marcia Says:

    Boa tarde.
    Parabéns pela iniciativa e pelo conteúdo. Não consigo, entretanto, visualizar as imagens referentes às legendas “até os cavalos…” e “famosa imagem …”. Seria possível recebê-las por email?
    Grata.
    Um abraço,
    Marcia


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: