:: Evil Genius :: Nikola Tesla

Nikola Tesla (1856-1943), embora vegetariano e oprimido pela descrença, tinha o perfil exato de um gênio do mal, já que seus inventos nem sempre foram de tudo pacíficos. As Bobinas de Tesla compõem qualquer filme de ficção científica que represente gênios do mal, já que disparam raios elétricos de forma inquietante, bem como parecem ser fruto de uma mente fora do normal.

Exemplo genérico de uma Bobina de Tesla

Tesla foi capaz de criar barcos e submarinos guiados por controle remoto e segundo algumas fontes teria inventado o rádio, de forma que Guglielmo Marconi roubara sua idéia, levando crédito pela mesma. Tesla também teria concebido o conceito científico do radar, inicialmente desprezado pelos americanos (o cientista encontrava-se desacreditado por suspeitas de traição) mas que ajudou-os a vencer a Segunda Guerra Mundial anos depois.

Nesse período de descrédito Tesla tentou criar diversas armas que pudessem chamar a atenção dos americanos, mas o evento mais obscuro dessa época é a criação de uma arma tão lendária quanto misteriosa e utópica, chamada de Raio da Morte.

O Raio da Morte seria uma espécie de acelerador de partículas não muito bem compreendido até os dias de hoje, através de uma espécie de melhoria no transformador amplificador de Tesla que concentrava a energia elétrica em um feixe fino e tão denso que não se dissiparia em longas distâncias, como a luz, num exemplo bem distinto.

Foto do insano laboratório de Tesla

Tesla teria feito uma única experiência com o Raio da Morte, em 30 de junho de 1908. Direcionando o raio através do Atlântico para o Ártico, Tesla esperava atingir algum ponto à oeste da expedição de Robert Peary, explorador que na época tentava sua segunda expedição para chegar ao pólo norte do globo. Tesla não sabia se o raio estava funcionando efetivamente quando o ligou (pois o fluxo elétrico seria tão denso que o feixe não dispersava fótons, de modo a ser invisível), mas uma coruja, que teria se desintegrado ao perpassar o raio, confirmou o funcionamento. Tesla desligou o aparelho e atentara-se aos jornais dos dias seguintes, sendo que também teria perguntado a Peary se havia visto algo, mas nada aconteceu e nenhuma resposta positiva tinha chegado até ele.

Contudo, ficou sabendo de um acidente em Tunguska, na Sibéria central (na época território soviético), onde uma explosão aparentemente causada por um meteoro (sem contudo deixar vestígios) tinha destruído uma imensa área florestal no mesmo dia e hora de sua experiência. A explosão correspondia a quinze megatons (a bomba lançada sobre Nagasaki tinha 25 kilotons, ou seja, mil duzentas e cinquenta vezes menos potente que tal explosão).

Tesla teria agradecido aos céus por ninguém ter morrido e então teria desmontado o aparelho, desistindo de entregá-lo ao governo americano (obviamente compreendo o quão falsa essa história parece ser, mas trata-se de um boato muito difundido).

Tesla, já idoso e descreditado, em 1942, ano anterior ao de sua morte.

Outra pecualiridade de Tesla (essa notória e comprovada) foi a disputa que travou por parte da vida com Thomas Edison, inventor da lâmpada, de quem fora assistente; uma vez que Edison seria um frequente ladrão das idéias de Tesla, além do fato de que discordavam em diversos aspectos, como a preferência pela corrente contínua (DC na singla em inglês) diferentemente de Tesla que apoiava o uso da corrente alternada (AC) na transmissão de eletricidade por longas distâncias.

Tesla acabou ganhando dado o fato de que a corrente alternada é comprovadamente mais eficiente para este ofício.

Mas as polêmicas de Tesla não se resumem apenas à isto. Em 1899 ele declarou ter recebido sinais de Marte através do telescópio que inventara, o que deixou a comunidade científica indignada e colocou seu nome no descrédito, já que ele vinha sofrendo repreensão das culminantes empresas de distribuição elétrica dos EUA, uma vez que defendia o estudo de formas acessíveis (até mesmo gratuitas) de distribuição de energia elétrica para a população (o Raio da Morte teria partido de um destes conceitos: o de transmitir energia elétrica sem necessidade de fios).

Em vez de distanciar-se de seu trabalho, Tesla criou uma central de telecomunicações sem fio, que visava a abrangência global para o compartilhamento de informações, um conceito muito similar ao do que chamamos hoje de internet.

A humanidade deve a Tesla o motor elétrico, usado até hoje para as mais diversas funcionalidades, mas o mais curioso de tal invento é de que o próprio Tesla dizia tê-lo concebido numa espécie de devaneio, ou visão, dando margem para as crenças sobrenaturais que se aplicam a ele (clarividência e até mesmo telepatia, para alguns).

Os vídeos abaixo expressam estes e muitos outros fatos nítidos ou obscuros da vida de Tesla.

Vídeos: Os Segredos de Nikola Tesla Partes 1 & 2

Explore posts in the same categories: Evil Genius

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: